Neste ano foram defendidas 7 teses.

Útlima atualização 09/05/2017

Leila Maria Tesch

Título: A EXPRESSÃO DO TEMPO FUTURO NO USO CAPIXABA: VARIAÇÃO E GRAMATICALIZAÇÃO

Orientadora: Vera Lúcia Paredes Pereira da Silva Páginas: 192


Resumo da Tese

Linha de pesquisa:Língua e Sociedade

Esta pesquisa focaliza a expressão do tempo futuro no uso capixaba, codificada pelas formas futuro simples, ir no futuro + verbo no infinitivo, presente do indicativo e ir no presente + verbo no infinitivo. O estudo abrange a modalidade oral, a partir da análise do corpus PortVix, e a modalidade escrita, por meio de amostras do jornal A Gazeta, década de 1930, década de 1970 e 2008. Com base nos princípios da Sociolinguística Variacionista e do Funcionalismo Linguístico, especialmente a gramaticalização, foram investigados os contextos linguísticos e sociais correlacionados à variação estudada. Em geral, os resultados demonstraram um uso distinto nas modalidades investigadas: maior preferência de futuro simples na escrita, porém em decréscimo ao longo de 80 anos, e predominância da forma perifrástica na fala e quase desaparecimento de futuro simples. Os resultados atestam que o fenômeno em estudo sofre influência de motivações de natureza diversa como paralelismo, extensão lexical, verbo modal, marca de futuridade fora do verbo, projeção de futuridade, conjugação verbal, tipo semântico do verbo e tipo textual. Além desses, foram investigados fatores específicos para cada modalidade, como o gênero textual para a escrita e os fatores sociais para a fala. Em relação a uma possível mudança em curso, através do processo de gramaticalização de ir na expressão de futuro, o estudo mostrou resultados relevantes, tendo em vista a implementação da perífrase com ir para indicar tempo, confirmando tendência já observada em outras variedades do português brasileiro.

Victor Luiz da Silveira

Título: A emergência de estruturas A-barra no contexto da aquisição do Português Brasileiro como língua materna

Orientadora: Márcia DâmasoPáginas: 256


Resumo da Tese

Linha de pesquisa:Gramática na Teoria Gerativa

Nesta tese, investigamos a ordem de emergência das construções A-barra (interrogativas, tópico, clivadas, relativas e subordinadas) na aquisição do Português Brasileiro (PB) como língua materna, com a finalidade de discutir: (i) a constituição funcional da periferia esquerda da oração (RIZZI, 1997 e 2004) nas gramáticas iniciais; (ii) as operações sintáticas envolvidas na derivação das construções emergentes; e (iii) o estabelecimento de estágios para a aquisição de tais construções. Para a realização desta pesquisa, analisamos dados de fala espontânea de 23 crianças entre 1;10 e 5;0 anos de idade, divididos em amostras transversais (17 crianças) e em amostras longitudinais (6 crianças). Os dados observados mostram, por exemplo, que o surgimento dos diferentes tipos de interrogativas QU obedece a uma ordem de complexidade derivacional. Interrogativas e outras estruturas A-barra que envolvem um CP e uma operação Move surgem antes daquelas que envolvem dois CP e/ou duas operações Move, seguindo, então, uma hierarquia de níveis de complexidade sintática em sua ordem de emergência. Estes achados reforçam a hipótese de Soares (2003, 2004), segundo a qual as crianças pequenas são guiadas por princípios de economia no processo de aquisição. Assim, a emergência das diferentes estruturas A-barra é determinada pela complexidade de sua derivação. Construções menos complexas sintaticamente eclodem antes daquelas mais complexas.

Roberto de Freitas Junior

Título:A constituição discursivo-gramatical da construção (x)vs em inglês como L2: Indícios de formação da interlíngua

Orientadora: Maria Maura Cezário Páginas: 223


Resumo da Tese

Linha de pesquisa:Estudo das Línguas Indígenas Brasileiras

A pesquisa trata da transferência de uma estratégia pragmático-discursiva do PB para o discurso acadêmico escrito de inglês como L2 (EL2): o uso da ordenação verbo-sujeito (VS) com sujeitos plenos. Nossa finalidade foi analisar, descrever e explicar o comportamento discursivo e gramatical dessa oração, via manipulação empírica de dados, considerando-se suas características estruturais e informacionais. A principal hipótese era a de que esta seria uma construção de natureza discursiva transferida da L1 com adaptações sintáticas relacionadas à L2. Esta integração resultaria em uma estrutura atípica nos dois sistemas e serviria de indício favorável ao conceito de interlíngua e a hipótese do período sensível. A base teórica adotada para o desenvolvimento do trabalho parte de uma integração entre princípios funcionalistas acerca da questão da distribuição da carga informacional, que sobre a ordem VS explicam sua tendência de veiculação de SN sujeito [+ Focal] no PB, e propostas formalistas, a respeito do fenômeno da inacusatividade, que apontam para a tendência de preenchimento da posição X, por um sujeito não referencial ou um adjunto adverbial, à esquerda das construções XVS em línguas de sujeito obrigatório. A amostra utilizada consiste em trabalhos acadêmicos sobre fonética e fonologia de alunos do curso de português-inglês da UFRJ. Utilizamos 80 relatórios dos quais coletamos 152 cláusulas (X)VS, 58 ativas e 94 passivas, e 1712 cláusulas SV. O estudo foi desenvolvido a partir de cruzamentos entre os fatores escolhidos para a análise e algumas orações SV/VS e entre estes fatores e o grupo total de orações VS ativas/passivas. Tais fatores foram retratados em estudos anteriores como relevantes para o uso da ordem VS no PB (Cf. Duarte, 2003; Spano, 2002, 2008; Naro e Votre, 1999). Foram ainda analisadas, qualitativamente, 18 estruturas (X)VAS de predicação nominal, chamadas ‘small clauses‘, também agramaticais na língua alvo (LA). Constatamos a existência de 4 construções subjacentes ao padrão (X)VS, todas formadas pela interação dos fatores discursivos que explicam o seu uso no do PB como L1 e da supergeneralização, gerada a partir da experiência linguística dos usuários na L2, quanto ao preenchimento à esquerda desses verbos. Sugerimos, ainda, que as construções ativas e passivas (X)VS estudadas exerçam funções específicas dentro do gênero discursivo em que emergem e que podem apresentar comportamento [+/-gramatical] dependendo de suas semelhanças estruturais com as das orações XVS possíveis na LA.

Keylla Cristiani Manfili Fioravante

Título:A multicategorialidade do onde na escrita contemporânea de usuários com formação básica em português

Orientadora:Mario Martelotta e Julio Cesar Páginas: 209


Resumo da Tese

Linha de pesquisa:Mecanismos Funcionais do Uso da Língua

Esta tese propõe uma análise das construções com onde, na modalidade escrita do português do Brasil produzida por usuários com formação básica ou em vias de obtê-la. Nossa análise baseia-se em dados reais, retirados de redações feitas por alunos que participaram do Programa de Ingresso Seletivo Misto (PISM I e PISM II) e do Vestibular da Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF, no ano de 2010. Foram observadas 5599 provas, de três diferentes disciplinas (Língua Portuguesa, Literatura e História), dentre as quais coletamos 979 dados. Buscamos identificar as propriedades gramaticais associadas ao uso do onde como elemento anafórico em retomada de entidades locativas e não locativas, com valor de pronome relativo. Da mesma maneira, identificamos o uso do elemento com valor de conjunção, conectando duas orações, sem retomada a um SN na oração anterior. Elegemos como fundamentação teórica a hipótese da gramaticalização sob uma perspectiva cognitivo-funcional (Traugott e Dasher: 2005), apresentando argumentos em favor da utilização do elemento, através de uma escala unidirecional – concreto > abstrato (Heine et al (1991) e Martelotta (2010)). Utilizando a ideia de que o uso da língua reflete tendências em competição, propomos a existência de uma força de mudança que leva um determinado item a perder referencialidade, passando a assumir funções gramaticais (ou mais gramaticais), motivadas pela polissemia, pela metáfora e pela metonímia, elementos favorecedores de seu caráter multissêmico, multicategorial e multifuncional, que atuam no processo de gramaticalização.

Fernanda de Carvalho Rodrigues

Título:Processamento de tempo e aspecto em indivíduos afásicos de Broca

Orientador: Celso Novaes Páginas: 115


Resumo da Tese

Linha de pesquisa:Gramática na Teoria Gerativa

Esta tese tem como objetivo investigar a representação mental dos traços de tempo e aspecto. Mais especificamente, busca-se uma melhor compreensão sobre o papel da área de Broca no processamento de tempo e aspecto e sobre uma possível dissociação de tempo e aspecto na representação sintática. Três hipóteses nortearam este trabalho. A primeira é de que o tempo de processamento das informações relativas a tempo é diferente do tempo de processamento das informações relativas a aspecto em indivíduos normais. A segunda hipótese é de que o tempo de processamento das informações relativas a tempo é diferente do tempo de processamento das informações relativas a aspecto em indivíduos afásicos de Broca. A última hipótese é que os tempos de processamento das informações relativas a tempo e os tempos de processamento das informações relativas a aspecto estão aumentados nos indivíduos afásicos de Broca em comparação com os tempos de processamento dessas informações nos indivíduos normais. Para atingir o objetivo, foi desenvolvido um experimento que conjuga características de um teste on-line e de um teste off-line, inspirado no trabalho de Caplan e Waters (2003). O primeiro consiste de um teste de audição automonitorada e o segundo de um teste de julgamento de agramaticalidade. Em relação aos resultados do teste de audição auto-monitorada, as análises revelaram diferença estatística no modo como os indivíduos lidam com a compatibilidade / incompatibilidade entre os traços aspectuais / temporais expressos na morfologia do verbo e os traços expressos no advérbio. Não houve, no entanto, um padrão de resposta no que diz respeito ao processamento desses traços. De um lado, os traços aspectuais foram os que causaram mais problemas para um dos afásicos, e por outro lado foram os traços temporais os que causaram mais problemas para o outro afásico. De uma maneira ou de outra, os indivíduos lidaram diferentemente com os traços de tempo e aspecto. Esses dados são evidências em favor da proposta de que essas categorias são apresentadas em nódulos diferentes na árvore sintática. As hipóteses apresentadas não puderam ser refutadas. Os resultados dos testes aplicados aos pacientes nesta tese corroboram a ideia de que os estudos de processamento podem fornecer contribuições para um melhor entendimento da representação da estrutura sintática na mente dos indivíduo

Cynthia Aparecida Pereira Patusco Gomes da Silva

Título:Distúrbios fonoarticulatórios na Síndrome de Down e aplicações na lectoescrita

Orientador: Maria Cecília e Myrian Freitas Páginas: 212


Resumo da Tese

Linha de pesquisa: Língua e Sociedade

A presente pesquisa tem como proposta investigar déficits fonético-fonológicos em portadores de Síndrome de Down (SD) e implicações na apropriação da leitura e da escrita durante o processo de alfabetização. A discussão emerge da hipótese central de que transtornos de natureza fonoarticulatória, motivados por aspectos neurológicos e anatômicos, repercutem negativamente na lectoescrita. Parte-se do princípio que o retardo mental afeta o desenvolvimento cognitivo, responsável pela abstração, discriminação e memorização das unidades fonológicas (fonemas). Agregam-se a esse aspecto problemas de ordem periférica: a hipotonia orofacial generalizada dificulta o movimento harmonioso dos articuladores no que tange à programação e produção de cadeias sonoras. A despeito da deficiência de habilidade de correspondência grafo-fonológica em alguns casos, o estudo coloca em foco a capacidade em potencial da população investigada para o processo de alfabetização. Todavia, a análise dos dados aponta que o portador de SD pode levar mais tempo para ser alfabetizado quando comparado ao seu par de desenvolvimento típico, haja vista a falta de equivalência entre idade cronológica e idade mental. A pesquisa também ilustra que aspectos como estimulação verbal precoce, terapia fonoaudiológica e diferentes níveis de cognição conduzem a amostras idiossincráticas como observadas nos estudos de caso. O corpus foi coletado em dois estágios: primeiramente, conduziu-se à gravação em áudio das habilidades articulatórias (nomeação e leitura de itens lexicais listados através de gravuras) com posterior transcrição fonética.; na sequência, os informantes foram solicitados a escrever as palavras utilizadas nos testes de habilidade oral. Os resultados foram analisados à luz dos Modelos Baseados no Uso, bem como através de abordagens acerca do processo de alfabetização como é o caso da Consciência Fonológica.

Erica de Souza Marta

Título:Avaliação da produção e percepção da prosódia na expressão de modalidades por falantes de inglês como L1 e aprendizes de inglês como LE

Orientador: Myrian Freitas Páginas: 226


Resumo da Tese

Linha de pesquisa: Tecnologia Linguística e Materiais Pedagógicos

A pesquisa tem por objetivo analisar e confrontar as curvas melódicas produzidas por falantes de sexo feminino em pares de enunciados declarativos e que expressam surpresa com descrença e em enunciados interrogativo-negativos que expressam emoções como surpresa e pedido de confirmação. Um teste de percepção foi aplicado para, posteriormente, verificar o julgamento de ouvintes, que apresentam os mesmos perfis das falantes participantes da pesquisa, quanto à atribuição de termos como nativo ou aprendiz de inglês como LE e quanto às diferentes modalidades dos enunciados. Duas importantes hipóteses consideradas foram a de que o fator quantidade de tempo de exposição à LE não pode ser considerado independente do fator qualidade de exposição à LE e que falantes de sexo feminino poderão expressar emoções por meio da entonação de forma semelhante, a despeito de serem falantes ‘nativas’ ou aprendizes em diferentes níveis de aprendizado. Pelo menos, enquanto membros da cultura ocidental. O corpus foi formado por enunciados que expressam as emoções mencionadas acima e foi lido por quatro falantes de sexo feminino com diferentes perfis de exposição ao inglês (uma falante de inglês como L1, e três aprendizes de inglês como LE em nível básico, intermediário e avançado). Os enunciados foram gravados no programa computacional PRAAT. Para cada uma das quatro etapas da análise foi feita uma descrição fonética do gráfico de contorno de F0 de cada um dos enunciados de cada falante, tabelas com valores de vogais em Hz e quadros que resumiam as características dos contornos de todas as falantes. Ao final, foi feita a análise do teste de percepção e foram apresentados resultados e a conclusão quanto à relevância dos fatores considerados nas hipóteses origina